Parque Estadual do Cerrado

Parque Estadual do Cerrado (PEC)

 

Localização:
Jaguariaíva e Sengés

Horário de Atendimento:
De segunda a sexta-feira das 9h às 18h.

Gerente:
Manuel Arsênio Passos

Contato:
E-mails: pedocerrado@iap.pr.gov.br ou pedocerrado@iap.pr.gov.br

Telefones: (42) 3225-2757

Como chegar:

O acesso é realizado no Bairro Pesqueiro, tem acesso pela PR-092, estando distante há 12 km do centro de Jaguariaíva.

 

 

O Parque Estadual do Cerrado, com 420,40 hectares, foi criado pelo Governo do Estado do Paraná através do Decreto nº 1.232 de 27 de março de 1992, entre o ribeirão Santo Antônio e o rio Jaguariaíva, em altitudes que variam de 900 a 800 metros ao nível do mar, chegando à cota de 750 metros ao nível do cânion do rio Jaguariaíva, e tem como objetivo preservar remanescente de campos cerrados, ecossistemas típicos e em via de extinção, bem como locais de excepcional beleza cênica, como cânions e cachoeiras. Incorporado ao patrimônio do Estado do Paraná, foi oficialmente criado como “Parque Estadual do Cerrado” com uma área de 420,4007 hectares.

Além da beleza natural de cerrado, a unidade de conservação oferece aos visitantes trilhas e a chegada ao mirante fornece a oportunidade de contemplar o cânion do Rio Jaguariaíva. As trilhas também dão acesso à cachoeira do Ribeirão São Antônio, com formações naturais em rochas areníticas, onde pode-se apreciar as corredeiras e pequenas quedas, e ainda uma cachoeira de 40 metros de altura.

 

De acordo com esta conceituação a vegetação natural da região onde está inserido o Parque Estadual Lago Azul é subdividida em unidades fitoecológicas com ecossistemas associados, pertencentes ao bioma da Floresta Estacional Semidecidual e Floresta Ombrófila Mista, apresentando, ainda, um Ecótono de Transição da Floresta Estacional Semidecidual Submontana e Floresta Ombrófila Mista e encraves de Savana/Cerrado. Nessa tipologia florestal é possível encontrar as seguintes espécies: Bugio (Alouatta guariba), Tapiti (Sylvilagus brasiliensis), Paca (Agouti paca), Lontra (Lontra longicaudis), Gato-do-matopequeno (Leopardus tigrina), Jaguatirica (L. pardalis), Onça-pintada (Panthera onca ssp.), Anta (Tapirus terrestris), Queixada (Tayassu pecari), Araçari-de bicobranco (Pteroglossus aracari).

 

  • Levar uma troca de roupas e calçados confortáveis para fazer as trilhas;
  • Uma câmera para fazer a captura das belas paisagens que o Parque possui;
  • Comida e água são importantes (mas lembre-se de trazer todos os resíduos de volta);
  • Para observar os animais é preciso de silêncio.