Mapeamento Geológico

Evolução do Conhecimento Geológico

As pesquisas sobre a geologia do Paraná remontam a 1875, quando a Comissão Geológica do Império, sob a direção de Charles Frederick Hartt, designou Luther Wagner para percorrer o território e reconhecer suas características geológicas.

Ao longo do século XIX foram registradas muitas contribuições: Orville A. Derby, em 1877-78, delineou a base estratigráfica do Estado e realizou estudos em jazidas diamantíferas; em 1888, Luiz Felipe Gonzaga de Campos descreveu diversas áreas e ocorrências fossilíferas; em 1898, J. V. Sieniradzki apresentou o primeiro perfil geológico do Paraná.

No início do século XX, sob a orientação de I. C. White, foi publicado o Relatório Final da Comissão de Estudos das Minas de Carvão de Pedra do Brasil, em 1908. Em 1913, John M. Clarke apresentou detalhado estudo sobre os fósseis devonianos do Paraná.

Em 1916, Euzébio Paulo de Oliveira publicou a Geologia do Estado do Paraná, sintetizando o conhecimento geológico. Em 1927 apresentou o primeiro mapa geológico do Estado, na escala 1.000.000. Uma segunda edição foi publicada por ele em 1933, na mesma escala.

Em 1953, nas comemorações do centenário do Paraná, o notável naturalista e geólogo Reinhard Maack publicou o Mapa Geológico do Estado do Paraná, na escala 1:750.000. Produzido pelo Serviço de Geologia do Instituto de Biologia e Pesquisas Tecnológicas, este mapa foi um marco pelo seu grau de detalhe, resultado de anos de expedições de reconhecimento e perfilagens do território paranaense.

Mapa Geológico do Estado do Paraná 1:750.000 de 1953 - Reinhard Maack

 

Mapa Geológico

 

 

Em 1964 foi criada a Comissão da Carta Geológica do Paraná, coordenada pelo geólogo João José Bigarella. Foi o primeiro programa de levantamentos geológicos sistemáticos realizado no Brasil. Os trabalhos se estenderam até 1971, produzindo cartas nas escalas 1:50.000 e 1:70.000:

Mapas da Comissão da Carta Geológica do Paraná

A década de 1970 registrou diversos avanços no conhecimento da geologia do Paraná.

Em 1971 a Petrobras desenvolveu mapeamentos na Bacia do Paraná nas escalas 1:50.000 e 1:100.000, para exploração de óleo e gás.

Em 1974, o Departamento Nacional de Produção Mineral – DNPM, atual Agência Nacional de Mineração – ANM, publicou o mapa geológico do Estado do Paraná na escala 1:1.000.000, no projeto Carta do Brasil ao Milionésimo.

Em 1977, o DNPM e a Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais – CPRM, atual Serviço Geológico do Brasil, produziram cartas geológicas da porção leste do Estado, na escala 1:100.000 (Projeto Leste).

Em 1977 foi criada a Minerais do Paraná SA – MINEROPAR pelo Governo do Estado, que realizou levantamentos geológicos com o objetivo de promover o aproveitamento dos recursos minerais. Estes projetos foram direcionados aos depósitos de carvão, na Bacia do Paraná, e às unidades geológicas do Primeiro Planalto, de maior potencial econômico.

Nos anos 80, a Paulipetro desenvolveu programa de prospecção de petróleo na Bacia do Paraná, gerando mapas geológicos nas escalas 1:50.000 e 1:100.000, principalmente da área da cobertura vulcânica basáltica.

Em 1986, a MINEROPAR publicou o Mapa Geológico do Estado do Paraná na escala 1:1.400.000, em parceria com o Instituto de Terras, Cartografia e Florestas do Estado do Paraná - ITCF, atual Instituto Água e Terra – IAT.

Mapa Geológico do Estado do Paraná 1:1.400.000 de 1986

 

Mapa Geológico

 

No final dos anos 80, a MINEROPAR coordenou projeto de integração do conhecimento geológico, publicando em 1989 o Mapa Geológico do Estado do Paraná na escala 1:650.000, em convênio com o DNPM.

Mapa Geológico do Estado do Paraná 1:650.000 de 1989

 

Mapa Geológico

 

A partir de 1992, a MINEROPAR desenvolveu projetos de mapeamentos sistemáticos para caracterização do meio físico, com o objetivo de subsidiar prefeituras municipais no planejamento territorial e urbano, no uso racional do meio físico e na identificação de áreas de risco geológico.

Em 2001, a MINEROPAR editou duas novas versões do Mapa Geológico do Paraná na escala 1:1.000.000.

Mapa Geológico do Estado do Paraná 1:1.000.000 de 2001

 

Mapa Geológico

 

Mapa Geológico do Estado do Paraná 1:1.000.000 de 2001

 

Mapa Geológico

 

A última atualização do mapa geológico realizada pela MINEROPAR data de 2006, para o programa de Zoneamento Ecológico-Econômico do Paraná, coordenado pela Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos – SEMA, atual Secretaria do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo – SEDEST. O mapa encontra-se na escala 1:650.000 e 21 cartas na escala 1:250.000.

Mapa Geológico 1:650.000 (2006)

 

Cartas Geológicas 1:250.000 (2006)

 

 

Mapa Geológico

 

 

Em 2010, a MINEROPAR iniciou projeto sistemático de organização de dados, incluindo estudos de pesquisa acadêmica, fundamentais para a revisão da descrição das unidades geológicas e seu posicionamento estratigráfico. Apesar de inconcluso, o acervo obtido será útil na futura revisão da base geológica.

O Instituto Água e Terra, através da Divisão de Geologia da Diretoria de Gestão Territorial, está formalizando convênio tripartite com o Serviço Geológico do Brasil - CPRM (Núcleo de Curitiba) e a Universidade Federal do Paraná - Departamento de Geologia. O objetivo é realizar um esforço integrado dos pesquisadores com vivência nos diversos compartimentos geológicos para atualização do conhecimento e da cartografia, com elaboração de uma versão atualizada do Mapa Geológico do Paraná. Os resultados serão de grande utilidade para a exploração de recursos minerais, gestão de recursos hídricos subterrâneos e o ordenamento territorial.


Mapeamento Geológico do Grupo Serra Geral

O Grupo Serra Geral engloba as rochas vulcânicas do Terceiro Planalto e os diques intrusivos básicos associados ao Arco de Ponta Grossa, encontrados desde a região litorânea. Esta unidade geológica de grande extensão foi objeto de vários projetos de mapeamento, tendo a MINEROPAR iniciado estudos sistemáticos nesta unidade a partir de 2003.
 

 

Mapa Geológico

Área de ocorrência do Grupo Serra Geral no Paraná.

 

 

 

Geologia e Recursos Minerais do Sudoeste do Estado do Paraná

Entre 2004 e 2006, a MINEROPAR desenvolveu um projeto em cooperação com a CPRM – Serviço Geológico do Brasil, no Sudoeste do Paraná, cobrindo seis cartas na escala 1:100.000 (Dionísio Cerqueira, Francisco Beltrão, Catanduvas, Guaraniaçu, Capanema e Rio Cotegipe), abrangendo 14.400 km2.
 

 

Mapa Geológico

Articulação das cartas 1:100.000.

 

No mapeamento foi enfatizado o critério geoquímico na identificação das unidades, levando à designação de fácies correlacionadas com magmas-tipo para a subdivisão do Grupo Serra Geral. Este critério privilegia a avaliação metalogenética das províncias de basaltos continentais, objetivo priorizado pela CPRM. O levantamento geológico foi precedido de prospecção geoquímica de sedimentos ativos de drenagem e concentrados de bateia.

O trabalho resultou num vasto acervo de dados incluindo os seguintes temas:

  • Cartografia geológica
  • Litoquímica
  • Geoquímica isotópica e geocronologia
  • Geoquímica de sedimentos ativos de drenagem
  • Geofísica
  • Recursos minerais da região

Os dados obtidos neste projeto encontram-se sumarizados no relatório Geologia e Recursos Minerais do Sudoeste do Estado do Paraná (2006), com mapas integrados na escala 1:200.000, apresentado como cartograma final, além da Base de Dados Geoquímicos.

 

Mapeamento Geológico do Grupo Serra Geral no Estado do Paraná

O mapeamento geológico do Grupo Serra Geral desenvolvido pela MINEROPAR teve duas fases. O primeiro período compreende o mapeamento na escala 1:250.000 das cartas de Guaíra, Cascavel, Campo Mourão, Foz do Iguaçu, Guaraniaçu, Guarapuava, Pato Branco e Clevelândia (Arioli e Licht 2013). O restante da área de exposição no Paraná e também uma reavaliação dos resultados da primeira fase foram contemplados no segundo relatório (Licht e Arioli 2018). Esta fase foi concluída após a extinção da MINEROPAR (2016) e a sua incorporação ao ITCG.

Mapeamento da Primeira Fase - 2013

A primeira fase se limitou à área a sul do paralelo 24, e utilizou critérios de campo para definição das unidades de mapeamento e geoquímica multielementar para sua caracterização.

Nesta fase, o critério de mapeamento enfatizou a arquitetura faciológica, que permite a discriminação de materiais geológicos de interesse para a hidrogeologia, a extração de matérias-primas de uso imediato na construção civil e na indústria cerâmica, bem como para o planejamento da ocupação territorial. Como o mapeamento produz uma sólida base de dados litogeoquímicos, também contribuiu para a avaliação metalogenética regional.

Os dados obtidos permitiram redefinir a classificação litoestratigráfica e subdividir o Grupo Serra Geral em várias formações, sendo estas subdivididas em vários membros.
 

 

Mapa Geológico

Abrangência do mapeamento de 2013, sobre o mapa geológico do Paraná

 

O Mapeamento do Grupo Serra Geral no Estado do Paraná (2013) abrangeu as cartas de Guaíra, Cascavel, Campo Mourão, Foz do Iguaçu, Guaraniaçu, Guarapuava, Pato Branco e Clevelândia, na escala 1:250.000.

Produtos:

 

 

Mapa Geológico

Mapa Geológico do Grupo Serra Geral (2013)

 

 

 

Mapeamento da Segunda Fase – 2018

A segunda fase do Mapeamento do Grupo Serra Geral na escala 1:250.000 abrangeu as Folhas de Loanda, Presidente Prudente, Marília, Umuarama, Londrina, Cornélio Procópio, Guaíra, Cascavel, Campo Mourão, Foz do Iguaçu, Guaraniaçu, Guarapuava, Ponta Grossa, Pato Branco, União da Vitória e Mafra. Em função das reinterpretações e novos modelos adotados, as folhas da primeira fase foram consideradas novamente nesta etapa.

 

Mapa Geológico

Articulação das cartas 1:250.000 e área de mapeamento

 

 

Na Nota Explicativa do Mapeamento do Grupo Serra Geral está sintetizada toda a evolução do conhecimento acumulado pela equipe do projeto desenvolvido pelo Serviço Geológico do Paraná - MINEROPAR no período de 1981 a 2016, sucedido pelo Instituto de Terras, Cartografia e Geologia do Paraná – ITCG no período 2017-2018, atualmente Instituto Água e Terra - IAT.

Em face da diferença de critérios adotados para o mapeamento da região a sul do paralelo 24° (Arioli e Licht 2013), com relação ao mapa geológico e nota explicativa da segunda fase, não foi possível estabelecer uma correspondência direta entre as unidades. Assim, a nova interpretação dos dados foi estendida a toda exposição do Grupo Serra geral, com as adaptações necessárias à proposta anterior de Arioli e Licht (2013). A proposta final é solidária com a estratigrafia geoquímica e a evolução do vulcanismo para a Província Ígnea do Paraná - PIP (Licht e Arioli 2012; Licht e Lima 2014a, b; e Licht 2018).

Assim, com a necessária adequação de critérios, interpretações e produtos finais, partes importantes do texto de Arioli e Licht (2013) foram incorporadas e adaptadas à Nota Explicativa de 2018.

Os Produtos desta fase foram:

 

Mapa Geológico

Mapa Geológico do Grupo Serra Geral (2018)

 


Outros documentos relativos ao Mapeamento do Serra Geral podem ser acessados em Publicações para downloadMapa Geológico - Mapeamento Geológico do Serra Geral.

 


Mapeamento Geológico da Folha de Ponta Grossa.

O mapeamento geológico da Folha de Ponta Grossa na escala 1:100.000 foi realizado em 2006 numa parceria da MINEROPAR com a Universidade Federal do Paraná, por meio do Laboratório de Análises de Bacias e Petrofísica – LABAP, sendo coordenado pelo Prof. Dr. Sidnei Pires Rostirolla.

Além da cartografia sistemática da folha, estabeleceram-se como objetivos secundários, definir e testar metodologia para mapeamento de áreas sedimentares e elaborar um guia para aplicação de técnicas específicas em várias escalas, para mapeamento de terrenos congêneres.

O resultado alcançado foi um mapa onde as unidades cartografadas estão representadas por associações litológicas descritas conforme os modelos de fácies, sistemas e sequências deposicionais, além da caracterização das estruturas deformacionais.

Estão disponíveis os arquivos correspondentes à nota explicativa e o mapa geológico da Folha de Ponta Grossa na escala 1:100.000 (o mapa foi editado em 2006 e o relatório final em 2007).

 

 

Mapa Geológico

Folha de Ponta Grossa

 

 

Outros Mapas e Documentos

Mapas geológicos:

- Planta de Curitiba e Arredores de 1956, organizada por J. J. Bigarella

- Faixa de Afloramento do Aquífero Guarani (2017)

- Rios Capivara / Conceição-Meia Lua, Conceição dos Correias e Santana de Baixo (1983)

- Folha de Maringá (2005)

Documentos relacionados:

- Inventário Cartográfico de Documentos Geológicos (1987)

- Projeto de Informatização dos Dados Geológicos da MINEROPAR e de outras instituições

- Revisão, atualização e integração do mapa geológico do Estado do Paraná - Sistema de informações corporativo MINA (2011)

- Projeto Integração de Dados Geológicos da RMC (1988)

 

Todos os itens relacionados acima podem ser consultados em:

Publicações para download - Mapa Geológico – Mapa Geológico Diversos.

 

Planta Geológica Provisória da Cidade de Curitiba e Arredores 1956

 

Mapa Geológico