Parque Estadual do Cerrado (PEC)

Horário de Atendimento:
De quarta-feira a domingo e feriados, das 9h às 16h30

Chefe da Unidade:
Manuel Arsênio Passos

Contato:
E-mails: pedocerrado@iat.pr.gov.br ou elifaz@iat.pr.gov.br
Telefones: (42) 3225-2757

Como chegar opção 01:
Partindo do centro de Arapoti, segue pela PR-092 até o Km 324, em seguida entra-se à esquerda na estrada sem pavimentação e segue por 18 Km até o Parque Estadual do Cerrado.

Como chegar opção 02:
Partindo do centro de Jaguariaíva segue para a cidade alta, sentido à Subestação de Energia da Copel, no bairro Samambaia. A partir da estrada de chão, segue por 11 Km até o Parque Estadual do Cerrado.

Localização:
Jaguariaíva e Sengés

 

O Parque Estadual do Cerrado foi criado pelo Governo do Estado do Paraná com 420,40 hectares através do Decreto nº 1.232 de 27 de março de 1992 e ampliado para 1.830,40 hectares através do Decreto n° 1527 de 02 de outubro de 2007. 

O Parque está situado na mesorregião Centro Oriental do Estado do Paraná, região fisiográfica dos Campos Gerais, no Bairro Pesqueiro, a 12 km da sede do município de Jaguariaíva e têm como objetivo preservar remanescente de campos cerrados, ecossistemas típicos e em via de extinção, bem como locais de excepcional beleza cênica, como canyons e cachoeiras.

A sede se encontra entre o Ribeirão Santo Antônio e o Rio Jaguariaíva, em altitudes que variam de 900 a 800 metros ao nível do mar, chegando à cota de 750 metros ao nível do canyon do rio Jaguariaíva

Além da beleza natural de cerrado, a unidade de conservação oferece aos visitantes trilhas e a chegada ao mirante fornece a oportunidade de contemplar o cânion do Rio Jaguariaíva. As trilhas também dão acesso à cachoeira do Ribeirão São Antônio, com formações naturais em rochas areníticas, onde pode-se apreciar as corredeiras e pequenas quedas, e ainda uma cachoeira de 40 metros de altura.

 

De acordo com esta conceituação a vegetação natural da região onde está inserido o Parque Estadual Lago Azul é subdividida em unidades fitoecológicas com ecossistemas associados, pertencentes ao bioma da Floresta Estacional Semidecidual e Floresta Ombrófila Mista, apresentando, ainda, um Ecótono de Transição da Floresta Estacional Semidecidual Submontana e Floresta Ombrófila Mista e encraves de Savana/Cerrado. Nessa tipologia florestal é possível encontrar as seguintes espécies: Bugio (Alouatta guariba), Tapiti (Sylvilagus brasiliensis), Paca (Agouti paca), Lontra (Lontra longicaudis), Gato-do-matopequeno (Leopardus tigrina), Jaguatirica (L. pardalis), Onça-pintada (Panthera onca ssp.), Anta (Tapirus terrestris), Queixada (Tayassu pecari), Araçari-de bicobranco (Pteroglossus aracari).

 

Recomendações

  • Repelente, protetor solar e roupas confortáveis são essenciais;
  • Use calçados sempre fechados e confortáveis;
  • Comida e água são importantes (mas lembre-se de trazer todos os resíduos de volta, incluindo os resíduos orgânicos, a exemplo de cascas e sementes de frutas);
  • Contribua com a conservação do Parque Estadual do Cerrado andando somente pelas trilhas sinalizadas e locais de descanso permitidos;
  • Procure andar sempre em grupos pequenos;
  • Procure andar em silêncio, contemple a natureza, tire apenas fotografias;

Recomendações acerca do Coronavírus

  • É obrigatório uso de máscara nas embarcações, trilhas, restaurantes e espaços comuns nas pousadas e campings;
  • Utilizar máscara cobrindo boca e nariz, apenas tocar no elástico da máscara quando necessário;
  • Manter higiene das mãos e máscaras;
  • Trocar as máscaras a cada duas horas ou quando necessário;
  • Manter o distanciamento social possível e evitar aglomerações;
  • Não compartilhar copos e utensílios pessoais com outros grupos, sem a higienização necessária

Atividades proibidas:

  • Ingresso de animais domésticos;
  • Fumar;
  • O consumo de bebidas alcoólicas;
  • Acampar
  • O uso de equipamentos que causem distúrbios sonoros na área;
  • Qualquer tipo de comércio ambulante na área do Parque;
  • Andar de carro ou moto fora do estacionamento;
  • O abandono de lixo, detritos de qualquer natureza ou outros materiais que maculem a integridade paisagística sanitária ou cênica da área;
  • Sair fora das trilhas previamente demarcadas e sinalizadas;
  • A prática de atos que possam provocar incêndios na área (fogueiras e churrascos);
  • Porte de facas, facões, foices, assim como de quaisquer outras ferramentas manuais de corte, armas de fogo, motosserras e equipamentos que causem distúrbios sonoros na área;
  • Coletar, depredar, entalhar e desgalhar as espécies arbóreas mantidas nas diversas áreas do Parque;
  • Caçar, pescar, coletar e apanhar peças do meio físico e de espécimes da flora e da fauna em todas as zonas de manejo, ressalvadas aquelas com finalidades científicas, desde que autorizadas pelo IAT - Diretoria do Patrimônio Natural (DIPAN);
  • A entrada de pessoas, veículos e equipamentos dentro do Parque não autorizados pelo IAT;
  • Alimentar e assustar os animais.

Observação: Qualquer dano promovido pelo visitante sujeitará o mesmo às sanções previstas na legislação ambiental vigente. 

Para sua segurança:

  • Cadastre-se. O cadastro é sua garantia de socorro numa emergência;
  • Evite tanto caminhar sozinho, como em grupos muito grandes;
  • A visita ao Parque é realizada por trilhas. Evite danos ao meio ambiente não saindo das trilhas indicadas;
  • Em caso de acidente, procure avisar a administração do Parque o mais rápido possível;
  • Obedeça a sinalização e a orientação dos funcionários e voluntários.

O cadastro deve ser preenchido na chegada à Unidade de Conservação, para segurança do visitante e para a gerência do Parque elaborar estatísticas de atividades, acesso, procedência, faixa etária, etc.