Parque Estadual do Rio da Onça (PERO)

Grupo:
Proteção Integral

Horário de Atendimento:
De terça-feira a domingo, das 10h às 15h.

Agendamento por telefone para grupos de 10 pessoas ou mais.

Chefe da Unidade:
Aneuri Moreira de Lima

Contato:
E-mail: iapparanagua@iat.pr.gov.br
Telefone: (41) 3453-2472

Como chegar:
O Parque está localizado a aproximadamente 110 quilômetros de Curitiba, capital do Paraná, ao norte da sede do município de Matinhos e o acesso é feito pela PR-412 no Balneário Riviera II em Matinhos.

Localização:
Matinhos

Endereço:
Rua Argentina, 99, Matinhos/PR, CEP 83260-000

 

O Parque Estadual foi criado pelo Decreto Estadual n.º 3825 de 04 de junho de 1981 e por meio do Decreto 3741 de 23 de janeiro de 2012, passou a denominar-se Parque Estadual do Rio da Onça antes chamado Parque Florestal do Rio da Onça, atendendo ao previsto no Sistema Nacional de Unidades de Conservação.

O nome Rio da Onça se deve ao córrego que passa no interior do Parque, o qual deságua no Rio Matinhos. Outro motivo para o nome seria a existência da onça-parda, também conhecida como puma. Atualmente este animal dificilmente é visto na região. Mesmo sendo criado para proteger uma porção da vegetação da planície litorânea, o Parque foi usado de 1968 até meados da década de 1990 como lixão.

O lixo do município de Matinhos era depositado em algumas parcelas do Parque, esse lixo ainda encontra-se depositado no interior da Unidade de Conservação. Outro problema encontrado no Parque, parcialmente resolvido, foi a utilização de parte de sua área para o plantio de Pinus. Essa espécie exótica já foi retirada do Parque, sendo necessário apenas o controle para que se evite que as árvores novas voltem a crescer.

Embora muitos moradores do entorno do Parque desconheçam a importância do que é encontrado no seu interior, essa Unidade de Conservação deve ser respeitada e preservada. Unidade de Conservação do tamanho de 118 campos de futebol abriga um trecho remanescente de Mata Atlântica repleto de bromélias, orquídeas e outras espécies da vegetação típica da planície litorânea do Estado.

Nos atrativos estão as trilhas, pontes elevadas e o mirante, onde é possível observar a formação das copas das árvores. Para conhecer o Parque de 119 hectares, o visitante pode percorrer cinco trilhas, num circuito de 1,5 quilômetros, sem voltar pelos mesmos lugares. Todas as trilhas são bem demarcadas, acessíveis e planas, fazendo do Parque um local apropriado para qualquer perfil de visitante.

Logo em frente ao Centro do Visitante começa a Trilha Grande, com pontes suspensas que facilitam a travessia de trechos alagados, uma das principais características do Parque. Quase na metade do caminho, o visitante chega ao Mirante das Bromélias, ponto de descanso e observação deste tipo de planta nativa e muito comum no Parque. Nele, o olhar do visitante fica perto da copa das árvores, onde as bromélias estão alojadas.

A flora é composta por diversas espécies que sobressaem no interior do Parque como canelinha, caúna, cupiúva, jacarandá, tapiá e mangue do mato. A fauna no local também é bastante diversificada, algumas pesquisas de campo registraram a existência de mais de 25 espécies de répteis e 19 anfíbios. Entre eles lagarto, mão pelada, suçuarana e tatu.

Recomendações

  • Repelente, protetor solar e roupas confortáveis são essenciais;
  • Recomenda-se calçados sempre fechados e confortáveis;
  • Comida e água são importantes (mas lembre-se de trazer todos os resíduos de volta, incluindo os resíduos orgânicos, a exemplo de cascas e sementes de frutas);
  • Contribua com a conservação do Parque Estadual do Rio da Onça andando somente pelas trilhas sinalizadas e locais de descanso permitidos;
  • Procure andar sempre em grupos pequenos;
  • Procure andar em silêncio, contemple a natureza, tire apenas fotografias;

Recomendações acerca do Coronavírus

  • É obrigatório uso de máscara nas embarcações, trilhas, restaurantes e espaços comuns nas pousadas e campings;
  • Utilizar máscara cobrindo boca e nariz, apenas tocar no elástico da máscara quando necessário;
  • Manter higiene das mãos e máscaras;
  • Trocar as máscaras a cada duas horas ou quando necessário;
  • Manter o distanciamento social possível e evitar aglomerações;
  • Não compartilhar copos e utensílios pessoais com outros grupos, sem a higienização necessária

Atividades proibidas:

  • Ingresso de animais domésticos;
  • Fumar;
  • O consumo de bebidas alcoólicas;
  • Acampar
  • Não são permitidos equipamentos que causem distúrbios sonoros na área;
  • Qualquer tipo de comércio ambulante na área do Parque;
  • Andar de carro ou moto fora do estacionamento;
  • O abandono de lixo, detritos de qualquer natureza ou outros materiais que maculem a integridade paisagística sanitária ou cênica da área;
  • Sair fora das trilhas previamente demarcadas e sinalizadas;
  • A prática de atos que possam provocar incêndios na área (fogueiras e churrascos);
  • Porte de facas, facões, foices, assim como de quaisquer outras ferramentas manuais de corte, armas de fogo, motosserras e equipamentos que causem distúrbios sonoros na área;
  • Coletar, depredar, entalhar e desgalhar as espécies arbóreas mantidas nas diversas áreas do Parque;
  • Caçar, pescar, coletar e apanhar peças do meio físico e de espécimes da flora e da fauna em todas as zonas de manejo, ressalvadas aquelas com finalidades científicas, desde que autorizadas pelo IAT - Diretoria do Patrimônio Natural (DIPAN);
  • A entrada de pessoas, veículos e equipamentos dentro do Parque não autorizados pelo IAT;
  • Alimentar e assustar os animais.

Para sua segurança:

  • Cadastre-se. O cadastro é sua garantia de socorro numa emergência;
  • Evite tanto caminhar sozinho, como em grupos muito grandes;
  • A visita ao Parque é realizada por trilhas. Evite danos ao meio ambiente não saindo das trilhas indicadas;
  • Em caso de acidente, procure avisar a administração do Parque o mais rápido possível;
  • Obedeça a sinalização e a orientação dos funcionários e voluntários.

O cadastro deve ser preenchido na chegada à Unidade de Conservação, para segurança do visitante e para a gerência do Parque elaborar estatísticas de atividades, acesso, procedência, faixa etária, etc.